29 de fevereiro de 2020
  • :
  • :

No Rio, Mangueira levanta a Sapucaí ao defender Carnaval e criticar Crivella

No Rio, Mangueira levanta a Sapucaí ao defender Carnaval e criticar Crivella

Em defesa do carnaval carioca, da qual, aos 90 anos, é símbolo, a Mangueira fez um desfile tão belo quanto combativo, e despontou como uma primeira favorita ao título do Grupo Especial. A agremiação exaltou escolas de samba e blocos de rua e criticou abertamente o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), que apareceu numa alegoria na figura de um boneco enforcado, como um Judas, junto aos dizeres, extraídos do samba: “Prefeito, pecado é não brincar o carnaval”. Foi uma alusão ao apoio que o mundo do carnaval deu ao então candidato em sua campanha de 2014 e ao corte que ele, eleito, fez posteriormente nas verbas para os desfiles.

Mais esperada desta primeira noite do Grupo Especial, por conta do enredo crítico, “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”, a Mangueira passou bem vestida e com carros alegóricos de grande beleza plástica. O carnavalesco Leandro Vieira prometeu que os componentes iriam desfilar brincando, e não engessados por fantasias pesadas, e eles cumpriram à risca.

Vieira escolheu tons pouco usados de verde e rosa, mais suaves, e mesclou listras e florais em carros e em alas que representaram blocos tradicionais, como o Bola Preta, o Cacique de Ramos e o Bafo da Onça, além de grupos do novo carnaval de rua do Rio, que trazem outros estilos musicais ao samba.

Foliões vieram de pirata, diabo, índios, com Vieira no meio, saudando o público. Um deles, o ator Pedro Monteiro, estava de “Cristo proibido”, copiando a lendária escultura de Joãosinho Trinta vetada a mando da Igreja Católica na Beija-Flor do ano de 1989. Sobre um plástico preto, estava escrito “Orai por nós, porque o prefeito não sabe o que faz”.

Os antigos carnavais não ficaram de fora. No carro do botequim, saíram sambistas mangueirenses, como Alcione e Lecy Brandão, tendo Nelson Sargento no centro, como um rei, junto a artistas de outras escolas.

O verso do samba “se faltar fantasia, alegria há de sobrar” não se comprovou: a Verde e Rosa estava bem acabada e muito animada, com componentes cantando com vontade as alfinetadas a Crivella. Ele é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e procura se manter afastado do carnaval para não desagradar sua base de apoio evangélica, que condena a festa. Essa semana, ele disse que valoriza o carnaval, mas ressaltou que a cidade tem outras prioridades.

Outras escolas – A Vila Isabel, que cantou seu “Corra que o futuro vem aí” e trouxe carros com efeitos tecnológicos, e a Mocidade Independente de Padre Miguel, com sua viagem à Índia, foram outros destaques. Um carro quebrado tirou as chances do “Cassino do Chacrinha” da Grande Rio. O Império Serrano e sua rota da China vieram simples demais, ao contrário da São Clemente, que fez bonito ao homenagear os 200 anos da Escola Nacional de Belas Artes, vindo muito bem vestida.

O Paraíso do Tuiuti também fez desfile crítico, este, à persistência da escravidão no Brasil e à precarização das ocupações dos trabalhadores, inclusive com uma ala exibindo uma carteira de trabalho chamuscada. Mas o enredo foi mal explorado, com uma profusão de escravos em alas e carros. Nenhuma outra passagem impactou o público como a da Mangueira. A escola ousou ao apresentar Crivella como “o Judas do carnaval”, na figura de um boneco enforcado, junto aos dizeres, extraídos do seu samba: “Prefeito, pecado é não brincar o carnaval”. Foi uma alusão ao apoio que o mundo do carnaval deu ao então candidato em sua campanha de 2014 e ao corte que ele, eleito, fez posteriormente nas verbas para os desfiles.

Mais esperada desta primeira noite do Grupo Especial, por conta do enredo crítico, “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”, tinha carros alegóricos de grande beleza plástica. O carnavalesco Leandro Vieira escolheu tons pouco usados de verde e rosa, mais suaves, e mesclou listras e florais em carros e em alas que representaram blocos tradicionais, como o Bola Preta, o Cacique de Ramos e o Bafo da onça, além de grupos do novo carnaval de rua do Rio, que trazem outros estilos musicais ao samba.

Foliões vieram de pirata, diabo, índios, com Vieira no meio, aplaudido pelo público. O verso do samba “se faltar fantasia, alegria há de sobrar” não se comprovou: a Verde e Rosa estava bem acabada e muito animada, com componentes cantando com vontade as alfinetadas a Crivella. Ele é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e procura se manter afastado do carnaval para não desagradar sua base de apoio evangélica, que condena a festa. Essa semana, disse que valoriza o carnaval, mas ressaltou que a cidade tem outras prioridades.

Mesmo de olho no futuro e na importância de invenções do passado, como a roda e o computador, a Vila isabel teve como estrela, já no abre-alas, o compositor Martinho da Vila, seu maior símbolo. Ele comemorava 80 anos na avenida. Esbanjando luxo, didatismo e alegorias que integravam humanos e equipamentos, a escola se credenciou para voltar no Sábado das Campeãs, quando desfilam as seis melhores – na opinião do júri especializado. O carnavalesco Paulo Barros mais uma vez abusou dos truques tecnológicos nos carros, com alguns bons resultados, como o do rapel na “roda da Vila”. Ao final do desfile, Martinho celebrou: “Nunca me imaginei com 80 anos, mas estou aqui pulando carnaval”, disse à TV Globo

A Mocidade, atual campeã, junto com a Portela, não se aprofundou na sua viagem à Índia, mesclando divindades, Ganesha, Shiva e outras, ao misticismo brasileiro. A escola estava opulenta e bastante fiel ao seu verde tradicional. O carnavalesco Alexandre Louzada também aproximou a vaca sagrada aos bois do Festival de Parintins. A plateia acompanhou a escola até o dia raiar, embalado por seu lindo samba-enredo.

Na estreia do carnavalesco Renato Lage, campeão cinco vezes na Sapucaí, a Grande Rio divertiu a avenida com uma homenagem ao centenário do apresentador Chacrinha (celebrado em 2017), recorrendo a seu apelo popular mesmo passadas três décadas de sua morte. Mas um problema no sexto e último carro, que empacou na Avenida Presidente Vargas e não entrou no Sambódromo, derrubou a escola. A passagem da agremiação tricolor terminou com desfilantes em prantos. O tempo foi estourado em cinco minutos, o que lhe trará penalidade.

O carro representava o carnaval de Recife, que Abelardo Barbosa brincou quando jovem. Muito largo por conta das ornamentações, ele não conseguiu passar numa agulha de cerca de 10 metros da via para seguir para a Sapucaí.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *