24 de junho de 2019
  • :
  • :

Espaço projetado por Lina Bo Bardi será reaberto na Ladeira da Misericórdia neste sábado

Espaço projetado por Lina Bo Bardi será reaberto na Ladeira da Misericórdia neste sábado

Neste sábado (8), uma das mais tradicionais edificações da capital baiana reabre as portas ao público após três anos: o Coaty. Com projeto arquitetônico assinado pela italiana Lina Bo Bardi (1914-1992) e instalado na Ladeira da Misericórdia, com vista para a Baía de Todos-os-Santos, o espaço servirá de palco para a primeira apresentação aberta ao público dos artistas residentes do projeto InstruMentes – música para (re)invenção, além de apresentações internacionais. O evento é gratuito e segue das 17h às 22h.

Os músicos-inventores da luteria orgânica e digital, Fernando Sardo (SP), Bella (RJ/SP) e Victor Valetim (BA/DF), vão partilhar com o público os instrumentos musicais e instalações sonoras criadas ao longo desta semana, durante o primeiro ateliê coletivo do InstruMentes. As obras, inclusive, foram concebidas em harmonia com o espaço, dialogando com a arquitetura local, a estrutura física e a natureza ao redor.

A programação ainda terá a apresentação de dois nomes referência da cena contemporânea, considerados dos mais criativos e enérgicos músicos do “Free Jazz”: o norte-americano Ken Vandermark e o norueguês Paal Nilsen Love, em primeira turnê no Brasil – além de Salvador, também vão se apresentar no Rio de Janeiro e em São Paulo. O concerto é fruto de parceria com o Ciclo de Música Contemporânea – CMC, que, desde 2016, promove encontros musicais de livre improvisação na capital baiana.

Preservação e arte – Localizado entre as cidades Alta e Baixa, o conjunto arquitetônico do Coaty foi requalificado pelo InstruMentes, com financiamento do programa Rumos Itaú e apoio da Fundação Gregório de Mattos (FGM). As intervenções, que duraram dois meses, incluíram a reforma da escada externa e guarda-corpo, pintura, alvenaria, instalação elétrica e concertos gerais.

O espaço, inaugurado no final da década de 1980 como parte do Plano de Recuperação do Centro Histórico de Salvador, estava fechado desde 2016. “Após o InstruMentes, o Coaty ficará de legado pra Salvador, revitalizado e pronto para receber novos projetos de ocupação do centro da cidade, reunindo gente em torno da arte”, pontuou a produtora cultural Lívia Cunha, à frente da iniciativa ao lado da também baiana Alana Silveira.

Foto: Manuel Sá/Divulgação




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *