18 de julho de 2019
  • :
  • :

Capacidade dos cruzeiros que chegam a Salvador e Ilhéus aumentou 23%, diz PwC

Capacidade dos cruzeiros que chegam a Salvador e Ilhéus aumentou 23%, diz PwC

Pesquisa inédita realizada pela PwC mostra os setores que mais movimentam a economia do mar na Bahia. Intitulado “1ª edição do LEME –Barómetro PwC da Economia do Mar (Bahia)”, o projeto faz uma compilação de dados que permite acompanhar a evolução do segmento no estado a partir de 2010. Os últimos dados disponíveis mostram que a capacidade dos cruzeiros que chegaram aos portos de Salvador e Ilhéus apresentou um crescimento de 23% em 2017, quando comparado com o ano anterior.

O estudo analisa quatro subsetores considerados relevantes da economia do mar na Bahia e suas respectivas variáveis – ‘Entretenimento, Desporto, Turismo e Cultura’, ‘Transportes Marítimos, Portos, Logística e Expedição’, ‘Pesca, Aquacultura e Indústria do Pescado’, e ‘Energia’. Ainda no tópico ‘Entretenimento, Desporto, Turismo e Cultura’, foi observado um aumento na quantidade de navios de passageiros de 8,9% no período de dezembro de 2016 a dezembro de 2017. Essa é uma tendência que vem sendo observada desde 2015, com aumento de 28,3% na capacidade do número de usuários dos navios de passageiros e de 6,2% na quantidade de navios.

No subsetor de Pesca, Aquacultura e Indústria do Pescado, o aumento mais significativo foi na produção anual de aquacultura de peixes, que subiu de 93,60 toneladas em 2016 para 139,40 toneladas em 2017, o que representa um crescimento de 48%. Já na produção anual de aquacultura de camarão, ostras, vieiras e mexilhões foi observada uma diminuição de 24% – de 98,10 toneladas em 2016 para 74,30 toneladas em 2017.

Entre os desafios que o projeto da PwC aponta a serem superados nessa área estão acrescentar valor ao produto base primário (peixe e marisco) através da sua conservação, transformação e diversificação, além de reforçar as práticas de captura sustentáveis, certificando os processos e comunicando adequadamente ao consumidor final.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *