16 de setembro de 2019
  • :
  • :

Barreiras retira bancos de areia do Rio Grande para evitar inundações

Barreiras retira bancos de areia do Rio Grande para evitar inundações

O desassoreamento de dois pontos no rio Grande, no trecho urbano de Barreiras (a 858 km de Salvador), teve início esta semana, no dia 5, como atividade prévia à Semana do Cerrado. A jornalista Miriam Hermes do A Tarde informa que o evento está programado para acontecer entre 9 e 14 deste mês, pela passagem do Dia do Cerrado que é comemorado, na próxima quarta-feira, dia 11.

Elaborado pelos técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o projeto foi aprovado pelo Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) no formato de inexigibilidade de outorga.

A conclusão do serviço executado pela Secretaria de Infraestrutura está prevista para as próximas duas semanas. A iniciativa faz parte do Projeto Barreiras Bonita Por Natureza.

Na prática, homens e máquinas estão trabalhando para a retirada dos bancos de areia que se formaram no rio próximo do Parque de Exposições e perto do cais da cidade, de onde era fácil observar as ilhas que estavam aparecendo no período de seca, natural para esta época do ano.

“Embora o assoreamento aconteça de forma natural, com o movimento das águas das chuvas carregando partículas do solo para as regiões mais baixas, como os leitos dos rios, esse processo na nossa região é acelerado pelo desmatamento e construção de estradas sem os cuidados técnicos”, explicou o engenheiro ambiental Fábio Jatobá.

Ele acrescentou que o assoreamento dos rios não traz apenas prejuízos ambientais. “Esse fenômeno pode ser observado na maioria dos rios da região. E, como todos os cursos d’água do oeste da Bahia correm para o rio São Francisco, o problema também atinge o Velho Chico com sério comprometimento da navegação”, enfatizou.

Para o secretário municipal de Meio Ambiente e Turismo, Demósthenes Júnior, este serviço “era um anseio da população de Barreiras, porque as pessoas ficavam impressionadas com a imagem impactante da baixa no rio. Pensavam que o rio estivesse morrendo e modificando o seu curso”.

De acordo com o projeto, o curso d’água vai ficar com as mesmas características com a retirada do material que foi acumulado nestes lugares.

Com a iniciativa serão evitados danos a flora e a fauna e possíveis inundações nesse trecho. Também garantirá mais segurança à população, quanto ao risco de acidentes.

O prefeito Zito Barbosa destacou que a intervenção foi necessária para a preservação do curso d’água e recuperação do leito do rio Grande “que é um cartão postal da nossa cidade, um patrimônio natural”.

Ele salientou ainda que, além do fator ambiental, com o serviço “asseguramos as condições da prática dos esportes náuticos em nossa cidade”.

Com nascente perto da divisa entre Bahia e Goiás no município de São Desidério, o rio Grande tem 502 km de extensão e é um dos principais afluentes do São Francisco, com foz no município de Barra.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *