7 de julho de 2020
  • :
  • :

China confina 500 mil pessoas perto de Pequim para evitar 2ª onda de coronavírus

China confina 500 mil pessoas perto de Pequim para evitar 2ª onda de coronavírus

As autoridades chinesas anunciaram o confinamento, neste domingo (28), para quase meio milhão de pessoas que vivem nos arredores da capital do país, Pequim.

Desde meados de junho, Pequim é atingida por um novo surto de Covid-19, descrito como “sério e complexo” pelo governo.

O país asiático havia praticamente contido a pandemia, mas o aparecimento de cerca de 300 novos casos na cidade, em pouco mais de duas semanas, alimentou o medo de uma segunda onda de contágios.

A prefeitura lançou uma grande campanha de diagnóstico, fechou escolas e pediu à população de Pequim que não deixe a capital. Também confinou milhares de pessoas que vivem em áreas residenciais consideradas de risco.

Hoje, as autoridades locais anunciaram o confinamento do cantão de Anxin, localizado a 60 quilômetros ao sul de Pequim, na província de Hebei. Onze casos relacionados ao foco epidêmico de Pequim foram relatados, de acordo com o jornal “Global Times”.

A partir de agora, apenas uma pessoa por família poderá sair, uma vez por dia, para comprar alimentos e remédios.

O Ministério chinês da Saúde divulgou, neste domingo, 14 novos casos em Pequim nas últimas 24 horas, elevando o total para 311 desde o início desse novo surto.

Seu epicentro foi detectado no mercado atacadista de Xinfadi, no sul da cidade. A feira fornece produtos frescos, principalmente para supermercados e restaurantes.

Cerca de um terço dos novos casos relatados até agora está relacionado à seção de carne bovina e de cordeiro do mercado, informaram autoridades da prefeitura, em entrevista coletiva neste domingo.

“A situação epidêmica na capital é séria e complexa”, disse o porta-voz da cidade, Xu Hejian.

Os testes de diagnóstico são dirigidos, sobretudo, para quem frequentava o mercado, funcionários de restaurantes, entregadores e moradores de áreas residenciais consideradas de risco.

Ao todo, 8,3 milhões de amostras foram coletadas, e 7,7 milhões, analisadas, relatou a prefeitura.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *