19 de outubro de 2020
  • :
  • :

Fieb cobra celeridade ao TCU em análise do processo da Fiol

Fieb cobra celeridade ao TCU em análise do processo da Fiol

A Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) encaminou uma carta ao tribunal de Contas da União (TCU) pedindo a concluão do processo que tramita na corte sobre o proocesso de licitação da Ferrovia de Integração Oeste – Leste (Fiol), no trecho que vai de Caetité, na região sudoeste do estado, a Ilhéus, no sul.

No documento, endereçado ao ministro Aroldo Cedraz, A Fieb ressalta a importância da ferrovia para a economia baiana por estabelecer alternativas mais econômicas para os fluxos de carga de longa distância; favorecer a multimodalidade; interligar a malha ferroviária brasileira, com sua futura conexão com outras ferrovias – Centro – Atlântica (FCA), de Integração do Centro-Oeste (FICO) , e a ferrovia Norte-Sul -, incentivar e viabilizar investimentos que irão incrementar a produção e induzir a processos produtivos modernos em todo estado.

A autorização do TCU é apontada como o último obstáculo para que a licitação possa ser realizada e abrir uma perspectiva de funcionamento para o equipamento. Esta é a segunda vez que a Fieb encaminha ofício com este pedido ao TCU. A primeira carta foi encaminhada no mês de abril deste ano.

“Como é do conhecimento de V. Exa., a Bahia aguarda há mais de uma década pela conclusão da FIOL, que atenderá, num primeiro momento, à exploração de minério de ferro em Caetité (mas, viabilizando em consequência o escoamento da produção mineral do sudoeste baiano e do norte de Minas Gerais), além da produção de grãos do Oeste baiano e do Centro-Oeste brasileiro, após a conclusão de suas etapas 2 e 3”, diz a segunda carta, assinada pelo presidente da Fieb, Ricardo Alban, e datada de 6 de outubro último.

O traçado da Fiol via de Ilhéus até a cidade de Tocantinópolis, no estado do Tocantins, até o município de Ilhéus, na Bahia, e onde será construído o Porto Sul. Essa estrutura logística vai beneficar a produção mineral e agropecuária da Bahia ao reduzir custos de escoamento.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *