21 de julho de 2024
  • :
  • :

Dia Mundial do AVC: Especialistas recomendam agilidade no tratamento e reabilitação no pós-AVC

Dia Mundial do AVC: Especialistas recomendam agilidade no tratamento e reabilitação no pós-AVC

O AVC (Acidente Vascular Cerebral) é a maior causa de morte no Brasil, de acordo com a Rede Brasil AVC. Ainda conforme a entidade, 56.320 pessoas morreram no país após ter um AVC no primeiro semestre deste ano. Esse número é superior aos falecimentos por infarto ou Covid-19.

Com o objetivo de chamar atenção para a importância do rápido atendimento, a Rede Brasil AVC lançou a campanha “A Vida Conta – Cada minuto faz diferença” para marcar o Dia Mundial do AVC, celebrado no dia 29 de outubro. A agilidade é determinante no tratamento, mas também tem impacto significativo na reabilitação no pós-AVC, já que quanto antes iniciar esse procedimento, maior a chance de reduzir as sequelas e dependência do paciente, além de melhorar sua qualidade de vida.

De acordo com o estudo Copenhagen Stroke Study, 95% dos ganhos de recuperação ocorrem nos primeiros três meses após o evento. Por isso, recomenda-se que pacientes que perderam a independência para atividades básicas, como comer ou tomar banho, iniciem a reabilitação intensiva entre quatro e sete dias após o evento.

“Quando focamos energia na reabilitação em estimular cognição ou reduzir déficit de estrutura e função, podemos ter um melhor desfecho a longo prazo”, pontua Flaviane Ribeiro, fisioterapeuta e coordenadora de Reabilitação da Clínica Florence, lembrando que quando o paciente apresenta déficits importantes, essa reabilitação pode ser feita com o internamento em unidades especializadas de transição de cuidados/reabilitação.

Após sofrer um AVC, a personal trainer Marcelli Maia, 30 anos, teve síndrome de encarceramento, perdendo a capacidade para movimentar-se, falar ou exibir expressões faciais, precisando fazer reabilitação intensiva na Clínica Florence por cerca de cinco meses após deixar a UTI.

“Eu não mexia nada, não conseguia me comunicar ou me alimentar por via oral. Hoje já recuperei cerca de 80% dos meus movimentos e a sensação é de dever cumprido, porque tive muita dedicação, coragem e perseverança”, comemora Marcelli, que continua em reabilitação e sonha em voltar a trabalhar com personal trainer para ajudar outras pessoas que passem por experiência semelhante a dela.

Para Ceres Dias, a reabilitação intensiva é decisiva na recuperação do marido, o maratonista Manoel Alberto Dias, 59, que ficou paralisado após o AVC, mas que conseguiu sair da Florence já trotando. Ele foi assistido por um time interdisciplinar, que contava com fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, realizando até 15 horas semanais de reabilitação intensiva.

“Ele trotava nos corredores da clínica. Outro dia, andamos 6 km na praia. É uma evolução muito grande. Um milagre!”, afirma Ceres, contando que o marido costumava participar de provas de longas distâncias, como Ironman e Ultraman, o que também contribuiu para a recuperação.

“O corpo dele já estava acostumado a vencer obstáculos, então isso ajudou, mas a gente sabe a importância de ter iniciado a reabilitação logo após o AVC, já que os estímulos são essenciais na recuperação dele”.
Os principais sintomas do AVC são dor de cabeça muito forte e súbita, fraqueza ou dormência na face, nos braços ou nas pernas, paralisia, perda repentina da fala ou dificuldade em se comunicar e perda da visão, de acordo com o Ministério da Saúde. Em caso de suspeita, é recomendado procurar o serviço de urgência imediatamente para uma avaliação médica.

Sobre a Clínica Florence – A Clínica Florence é o primeiro Hospital de Transição de Cuidados do Norte/Nordeste, especializado no atendimento a pacientes que necessitam de um Programa de Reabilitação intensiva ou Cuidados Paliativos de fim de vida — perfil Hospice.

Atualmente com duas unidades, uma em Salvador (BA) – inaugurada em 2017, e outra em Recife (PE) – inaugurada em 2021, representa um marco no tratamento humanizado, com instalações projetadas com atenção aos mínimos detalhes para criar uma atmosfera mais pessoal e acolhedora e um serviço que possibilita maior interação entre o paciente e seus familiares. Conforto, segurança, acessibilidade, proteção e tranquilidade fazem parte de cada ambiente e influenciam diretamente no bem-estar dos pacientes e acompanhantes.

Atende a pacientes, em sua maioria procedentes de hospitais gerais, com indicação de cuidados multidisciplinares complexos com intuito de reabilitação intensiva, redução da complexidade dos cuidados, capacitação de familiares e/ou controle de sintomas. Trata-se de uma proposta de cuidado integral das legítimas necessidades de pacientes e seus familiares, em suas dimensões física, psicológica, espiritual e social, realizada por uma equipe interdisciplinar altamente qualificada.

Foto: Divulgação




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *