19 de maio de 2024
  • :
  • :

Com investimento em infraestrutura e tecnologia, Operação Chuva reforça ações preventivas em Salvador

Com investimento em infraestrutura e tecnologia, Operação Chuva reforça ações preventivas em Salvador

Para prevenção aos desastres naturais decorrentes do período chuvoso que historicamente é registrado na capital baiana entre abril até junho, a Prefeitura prossegue com a Operação Chuva 2024. Coordenada pela Defesa Civil de Salvador (Codesal), a iniciativa conta com uma força-tarefa para intensificar ações em infraestrutura, tecnologia, limpeza e manutenção urbana, a fim de proteger a população que vive, sobretudo, em áreas de risco.

Entre as novidades da edição deste ano está a ampliação do parque tecnológico da rede de monitoramento. A Prefeitura fez aquisição de 20 estações pluviométricas que quantificam os milímetros de chuvas acumulados em determinadas localidades da cidade no período de 30 minutos, 1h, 3h, 6h, 12h, 24h, 48h, 72h, 96h e no mês.

Além disso, a administração municipal também adquiriu cinco estações meteorológicas. Como o nome sugere, esses equipamentos fazem uma análise meteorológica, da radiação do sol, da temperatura e da velocidade das rajadas de vento.

Atualmente, a capital baiana conta com 112 pluviômetros, 15 estações geotécnicas, 14 estações meteorológicas, quatro estações hidrológicas, 14 sistemas de alerta e um radar meteorológico.

“A Operação Chuva em Salvador é um exemplo de como a preparação e a resposta coordenada podem mitigar os impactos dos efeitos climáticos. Por meio dessa iniciativa, a cidade está cada vez mais preparada para enfrentar os desafios desse período, protegendo muitas vidas. Nos últimos nove anos, nós não vivenciamos mais tragédias de deslizamentos de terra na cidade”, pontua o diretor geral da Codesal, Sosthenes Macêdo.

A estratégia é dividida em duas etapas: a preparatória, realizada ao longo do ano e intensificada em março, e a de alerta, entre abril e junho, quando são aplicados protocolos de monitoramento e resposta a situações de risco e prevenção de desastres.

A Codesal, inclusive, reforçou o quadro de profissionais para o período, contratando mais 10 engenheiros civis e cinco arquitetos para compor as equipes de trabalho.

Contenções – Para proteger famílias que vivem em áreas de risco de deslizamento de terra, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), está executando 41 contenções pela cidade e outras 57 estruturas do tipo serão implantadas. Além disso, a pasta segue monitorando os locais de alto risco, em parceria com a Codesal, para elaboração de novos projetos de contenções.

Lonas – De janeiro até o momento, cerca de 30 mil m² de lonas foram instaladas em mais de 170 pontos da capital baiana. O serviço é feito pela Empresa de Limpeza Urbana (Limpurb), tendo maior número de solicitações atendidas nos bairros de Castelo Branco, Tancredo Neves, Campinas de Pirajá, Pau da Lima e Paripe.

A lona evita que a água acumule na terra de uma encosta impedindo que um eventual deslizamento ocorra. Trata-se de uma medida provisória até que o talude receba uma geomanta ou contenção definitiva.

Durante a Operação Chuva, a Limpurb também realiza serviços de capinação, roçagem, sacheamento e gancheamento, retirada de entulho e limpeza nas encostas. Três equipes atuam no plantão permanente no turno diurno e duas equipes estão disponíveis para atender às situações de emergência no turno da noite, de domingo a domingo.

Poda e drenagem – No primeiro trimestre deste ano, a Secretaria de Manutenção da Cidade (Seman) efetuou a dragagem de 33 canais, totalizando 9,5 km de extensão alcançados. O objetivo é manter ou restabelecer as condições hidráulicas de funcionamento da malha de macrodrenagem, evitando e minimizando possíveis danos à população nos períodos de chuvas intensas.

As ações preventivas para o período chuvoso contemplam também os serviços de poda: mais de 8,3 mil retiradas de galhos com potencial risco de queda foram feitas.

Além disso, foram efetuadas limpeza, desobstrução e jateamento na rede de microdrenagem, que incluem operações em bocas de lobo e bueiro; substituição de trechos de rede danificados e elementos condutores (manilhas/tubos) das galerias pluviais; assim como reposição de grelhas, tampas e tampões.

Na área de sustentabilidade, a Prefeitura realizará até junho o plantio de 3 mil mudas de árvores em diversos locais da cidade.

Simulados – A Codesal realizou 54 simulados de evacuação nas comunidades de Mangueira, Bosque Real, Baixa do Cacau e Vila Sabiá. A iniciativa teve como objetivo avaliar, em tempo real, o processo de remoção das pessoas das áreas consideradas de riscos e orientá-las a como se comportar em uma possível evacuação.

As atividades envolvem o acionamento da sirene do Sistema de Alerta e Alarme. No decorrer do simulado, os participantes são mobilizados por equipes da Defesa Civil e encaminhados por rotas de fuga para abrigos previamente estabelecidos em unidades da rede municipal.

Capacitações – Mais de 5 mil voluntários já foram capacitados pela Codesal para fortalecer ações preventivas contra riscos e desastres decorrentes de precipitações, como deslizamentos de terra e alagamentos.

Por meio de iniciativas como o Núcleo Comunitário de Proteção e Defesa Civil (Nupdec), Nupdec Mirim e o projeto Mobiliza, os colaboradores receberam treinamento abrangente sobre medidas de socorro e resposta em caso de emergência.

Fotos: Divulgação/Secom-PMS




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *